ENRAIZAR O ESPÍRITO



No artigo passado, falamos um pouco sobre o que é o Qi Gong.

Hoje iremos nos aprofundar um pouco sobre um dos benefícios da prática, que é o enraizar o espírito.

Como falamos anteriormente, quando tratamos de espírito nas práticas chinesas, não estamos nos referindo ao aspecto religioso do termo, mas à combinação dos aspectos psíquicos e emocionais da mente.

Quando falamos, fulano tem presença de espírito, ou sicrano está com um semblante radiante, o que manifestamos é uma percepção do estado geral da pessoa. Suas funções psíquicas estão ativas e vívidas. A pessoa se manifesta de forma atenta e responsiva, com o humor leve a alegre. A sua inteligência se expressa da melhor forma.

É desse espírito que nos referimos.

Por outro lado, por vezes nos percebemos desatentos, com um turbilhão de pensamentos e emoções passando em nossa mente. Alguém fala conosco e nem escutamos, perdidos dentro de nós mesmos. A essa experiência, as escolas de meditação chamam agitação.

Essa agitação mental existe porque nossa mente está constantemente buscando satisfação ou fugindo dos sofrimentos. Assim, ela fica constantemente alternando entre imagens do passado ou imaginando o futuro, ou seja, a mente permanece constantemente projetada, pulando entre um pensamento e outro.

O primeiro passo, tanto na prática da meditação formal, quanto do Qi Gong é o enraizamento da mente, ou seja, colocá-la no momento presente, no aqui agora. E para isso, nos utilizamos de métodos específicos para este objetivo, como a utilização da concentração direcionada a um objeto. Seja ele real, como a respiração, partes do corpo, uma imagem, a chama de uma vela etc; ou concentramos numa imagem produzida pela nossa imaginação. Mas o foco aqui é dar uma ocupação para a mente se concentrar para que ela deixe de pular de pensamento em pensamento.

Pouco a pouca ela começará a ficar mais estável e presente. E quando bem orientada, ficará mais clara, consciente e perceptível aos fenômenos a nossa volta.

No caso do Qi Gong, a atenção deverá permear o corpo, aprimorando-se a consciência corporal, devemos nos concentrar no movimento corporal realizado em cada exercício, conhecendo a técnica, percebendo a alteração no centro de gravidade, na postura correta e na sensação que cada exercício desperta no corpo. Sim, cada exercício desperta uma sensação diferente, como um sabor. Cada exercício quando realizado por um tempo maior, com a mente focada na técnica postural correta manifesta uma sensação própria que experimentamos através da estabilidade da mente no movimento. E, começamos a apreciar essas sensações, ou esses sabores. Assim, mantemos a mente atenta, o espírito enraizado e a consciência clara e perceptível dos fenômenos que estão acontecendo no seu mundo interior, sem perder contato com o mundo exterior.

Isso, na prática do Qi Gong é enraizar o espírito.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo